Convocar novas eleições é ser conivente com golpe da direita

Impeachment é criminoso e representará retrocesso e perda de direitos; mas novas eleições apagarão a pecha de “golpe” e fraudarão nossa memória histórica.

Golpe-Militar-51-anos-de-História

Diante da quase certa derrota no Senado, o PT e os movimentos de esquerda já começam a comprar a ideia de “novas eleições” durante o mandato legítimo de uma presidente honesta, eleita democraticamente por 54 milhões de brasileiros e que não cometeu crime de responsabilidade. Por um lado, o cálculo político e o quadro que hoje se coloca apontam essa opção como a mais razoável: com Lula liderando as pesquisas, um novo pleito parece ser a única forma de impedir que a esquerda seja escamoteada de volta à sua posição marginal na política brasileira por sabe-se lá por quantos anos.

Por outro lado, eu me pergunto: a que custo? E respondo: o custo é garantirmos que esse processo criminoso promovido pela direita fique marcado na história como um “conflito legítimo e espontâneo”, resolvido com um “pacto justo pelo bem na nação”. Sabemos que, definitivamente, este não é o caso – e qualquer definição diferente da palavra “golpe” fraudará nossa memória histórica permanentemente.

Nós da esquerda já temos consciência que o impeachment é um risco real, e que um governo Temer significará perda de direitos, especialmente para a classe trabalhadora de baixa renda e para minorias. O pouco que foi divulgado sobre um possível governo do peemedebista já indica uma era de trevas à frente: desindexação do salário mínimo, redução ou eliminação de programas sociais, estatuto da família, posse de armas, ampliação da participação e influência do agronegócio, indústria e mercado financeiro no governo federal, acordão para arquivamento da Lava Jato.

Apesar disso, a esquerda não pode ser conivente com o golpe, cedendo às pressões antidemocráticas da direita. Novas eleições convocadas como consequência de tentativa de golpe são nada mais do que golpe! Um pleito ilegal, que confiscará da primeira mulher eleita presidente deste país um mandato que a ela cabe, receberá a roupagem da legalidade, caso a esquerda aceite jogar o jogo dos golpistas. Um jogo sujo do qual, lembremos, não existe qualquer garantia de sairmos vitoriosos.

A única atitude decente a ser tomada pelo PT e pela esquerda neste momento é denunciar, sistematicamente, nacional e internacionalmente, a subversão da ordem democrática no país, mobilizando todas as suas forças nas ruas. Se o Congresso não se mostrar permeável à resistência popular e não for possível barrar o impeachment, é necessário ficar muito claro e muito bem registrado que o parlamento, em conluio com as elites empresariais e com a oligarquia midiática, promoveu um golpe de Estado. E, ao mesmo tempo, será necessário intensificar as lutas nas ruas, com paralisações, greves e protestos ao longo de todos os dois anos em que o ilegítimo presidente Temer tentará governar para as elites. As vozes das ruas deverão gritar, diuturnamente, em alto e bom som: “golpista!”.

Somente assim, o Brasil poderá registrar esse momento político como ele realmente foi: um vergonhoso golpe de Estado promovido pelas mesmas forças de 1964 e 1954. Os golpistas terão que prestar contas à história: e eles não serão absolvidos.

Advertisements

The 10 lies of Globo

0-a-globo-erro-golpe

Globo, a media group from Brazil, responded to an article published by The Guardian about the brazilian political crisis. Here’s the result.

LIE 1: “It fails to mention that everything began with an investigation (named Operation Carwash)”.

The impeachment has nothing to do with Operation Car Wash, and Globo is mentioning it to confuse the readers of this respectable media outlet – as they normally do in Brazil. Rousseff herself isn’t implicated in any of the criminal facts been investigated by Car Wash. She is been impeached under accusations of fiscal maneuvers, executed to maintain social programs, like “Bolsa Família” (famous all over the world for been an example against social inequality). This maneuvers are regularly practiced by most brazilian public administrations (including by opposing ex-president Fernando Henrique Cardoso), and was also practiced just last year by 16 elected state governments currently in office. Does Globo want them impeached? Here’s a million dollar question.

LIE 2: “[…] investigation (named Operation Carwash), which in turn revealed the largest bribery scheme and corruption scandal in the country’s history, involving leading members of the ruling Workers Party (PT), as well as leaders of other parties in the government coalition, public servants and business moguls”.

Globo fails to mention that several members of the current political opposition to the Workers Party (PT) are also been implicated in Operation Car Wash. Aecio Neves, Rousseff’s defeated opponent in the last presidential elections, for example, was accused of receiving bribes and mentioned seven times in delations given by politicians and business men. The vice-president, Michel Temer, who has been orchestrating the coup himself in order to reach power, has also been cited. All of this can be easily verified, but Globo prefers to try keeping the readers in the dark, in order to construct the illusion that PT is the only party responsible for the corruption in brazilian institutions.

LIE 3: “The entire investigation process has been conducted in accordance with Brazil’s rule of law, under the strict supervision of the country’s Supreme Court”.

There have been serious violations of civil rights by the judge responsible for Operation Car Wash, Sérgio Moro, in collusion with the Globo Group itself, in order to inflame the masses and damage the image of Workers Party ex-president of Brazil, Lula. Sérgio Moro illegally leaked recordings of wiretappings placed in Lula’s residence to Globo, which then publicized selected parts of the audio in the network’s most rated news show. Apart from the fact that most of the conversations were personal and irrelevant to the investigation, the recordings caught a chat between Lula and the president of Brazil, Dilma Rousseff, and thus should have been immediately sent to the Supreme Court due to privileged forum. Instead, Moro sent them to Globo Group – but they don’t want anybody remembering that, do they?

LIE 4: “The Brazilian press in general, and the Globo Group in particular, fulfilled their duty to inform about everything, as would have been the case in any other democracy in the world. We will continue to do our job, no matter who may be affected by the investigation”.

The brazilian media in general, and specially Globo Group, is playing an important role in opposing the government systematically since Rousseff became president for the first time, in 2010 – actually, since Lula was president, and even before that, in 1989, when he lost the election to conservative and latter impeached Fernando Collor de Mello, after been deliberately harmed in a debate promoted by Globo. Members of the opposition involved in several corruption scandals, like “Trensalão” and “Máfia das merendas”, have been consistently spared by the oligarchic media of Brazil, which is controlled by something between 9 to 11 families with clear elitist interests. Brazilian media is famous all over the world for been extremely concentrated and devoted to conservative political forces. It also endorsed the military coup of 1964. Need I say more?

LIE 5: “As a reaction to the revelations of Operation Carwash, millions of Brazilians took to the streets in protest”.

The protests in Brazil are been deliberately stimulated by the media and the political opposition since Rousseff’s reelection, in 2014. Although there have been rallies in 2013, promoted by popular left-wing movements, the current protests are very, very different. They are financed by right-wing organizations like “Movimento Brasil Livre” and “Revoltados On-line”, which were created to promote the coup we see taking place in Brasil today, and also by corporate organizations, like Fiesp (Federation of São Paulo Industries).

There’s no doubt some of the protesters are going to the streets spontaneously, but it’s also clear the role that this artificially created movements and the oligarchic media have been playing in promoting them and in creating, among the masses, a hate feeling against PT and all left-wing social movements. Globo wants to make believe “the people” suddenly took the streets moved by a sense of citizenship and morality. But here in Brazil we know the political climate was been built since Rousseff displeased the conservative forces by becoming president again.

LIE 6: “Precisely to avoid any accusations of inciting mass rallies – as Mr. Miranda now accuses us – the Globo Group covered the protests without ever announcing or reporting on them on its news outlets before they happened. Globo took equal measures regarding rallies for President Dilma Rousseff and against the impeachment: it covered them all, without mentioning them prior to them actually taking place, granting them the same space as was given to the anti-Dilma protests”.

The coverage of the protests have been absurd, to say the least. For starters, Globo has been calling the pro-impeachment protesters “brazilians” or “Brazil”, while the protesters against the coup – many of them critics of Rousseff’s administration – are “pro-government” or “Dilma’s supporters”. But that’s just a detail. All the protests for the impeachment have been 100% televised live by GloboNews (the network’s cable news channel), that interviewed protesters and made sure to set a cheered climate. On the other hand, protests against the impeachment were covered by short superficial flashes and usually did not listen to the protesters arguments. No news here when it comes to Globo.

LIE 7: “The Globo Group did not support the impeachment in editorials”.

That’s the most absurd lie on the entire article, because it’s enable to survive a simple Google search. Just type “impeachment”, “editorial” and “O Globo” and have fun!

LIE 8: “To blame the press for the current Brazilian political crisis, or to suggest that it serves as an agitator, is to repeat the ancient mistake of blaming the messenger for the message”.

Globo knows it has been promoting hate and conflict among brazilians. And that’s, actually, exactly what they want: to create a sense of general dissatisfaction that “justifies” a coup.

Just stop lying already! It’s starting to get embarrassing.

LIE 9: “The Brazilian press is a vast and plural landscape of several independent organizations, 784 daily printed newspapers, 4,626 radio stations, 5 national television broadcast networks, 216 paid cable channels and another multitude of news websites. Everyone competes with great zeal for the Brazilian audience, which in turn is free to make its choices. Among strong competitors, what one finds is independence, without any tolerance for being led”.

If less than a dozen families controlling the entire media is not been concentrated, I don’t know what is. Another lie that collapses on itself after a basic Google search. But if you want something more reliable, what about a research published by Oxford? Enjoy!

LIE 10: “With the Globo Group rests the responsibility to report the facts as they happened. It is our duty”.

In  Brazil, that’s what we can call “cereja do bolo”: a bizarre ending to an absurd article. Simply amazing.

É o mercado, estúpido!

Não é a classe média. Não é o povo. Não é a oposição. É o Mercado.

Pato José Cruz_Agência Brasil

O declínio do Estado diante do mercado vem sendo anunciado por pensadores já há algumas décadas – na verdade, Marx e Engels já o previam, de certa forma, em 1848, quando identificaram o “papel revolucionário” da burguesia. A estrutura descentralizada e tecnológica das forças produtivas da atual fase do capitalismo tornou o capital fluido, transnacional, invisível e impassível de efetivo controle por parte de governos. Aos Estados nacionais resta, portanto, buscar parcerias com esse Mercado (agora com merecida letra maiúscula), na tentativa de alinhar seus próprios interesses com os dos grandes conglomerados econômicos – uma espécie de ganha-ganha duvidoso, pois sabemos que alguém sempre tem que perder.

A assimétrica “parceria” Mercado-Estado pode até funcionar relativamente bem – com as devidas ressalvas, é claro – em países desenvolvidos ou com alguma tradição ideológica neoliberal, como os Estados Unidos (o país do livre mercado e do self-made man). Nesses casos, em que são menos necessárias ou demandadas transformações sociais profundas, as exigências do Mercado são capazes de conviver com as instituições do Estado Democrático de Direito em relativa paz. Aqui, a solidez e a previsibilidade de um sistema político maduro trabalham a favor do Mercado, pois garantem um ambiente estável para os seus negócios.

Por outro lado, a situação dos países periféricos, em especial a das socialmente desiguais e jovens democracias latino-americanas, é bem diferente – e o Brasil não é exceção. A fragilidade das instituições, ainda em processo de consolidação após longo período ditatorial, e a não coincidência entre os objetivos do Mercado e os de governos impelidos por quadros sociais caóticos a buscar a melhor distribuição da riqueza promovem um constante e perene conflito no cenário político latino-americano.

Esse conflito ficou claro no Brasil quando o país elegeu, em 2002, seu primeiro presidente de esquerda pós-redemocratização. A partir da Carta ao Povo Brasileiro, Lula não traiu voluntariamente seus companheiros de luta em busca de um “projeto de poder” para o Partido dos Trabalhadores. Ele fez, na verdade, o que foi necessário para sobreviver. Para não ser, já naquele primeiro mandato, devidamente expurgado da política. Teve duração de 12 anos, no entanto, a sobrevida de um governo que conciliou demandas sociais com as necessidades do Mercado, e a crise de 2012 tratou de sepultar a agonizante parceria.

Neste momento, no cenário brasileiro, o Mercado vê a oportunidade de ter mais cedo seus interesses integralmente atendidos. A deposição da presidenta Dilma Rousseff significará o início antecipado de uma “nova era” – a do governo amigo, dos cortes de gastos públicos (ainda maiores do que os promovidos pela própria petista na tentativa de conciliação com o Mercado), das terceirizações, das privatizações, da perda de direitos trabalhistas. E a subversão da ordem democrática agora pode ser feita sob o falso manto da legalidade, com a cooperação política de setores do Judiciário, do Ministério Público, da Polícia Federal e da mídia oligárquica (ela própria integrante do Mercado). O golpe “legal” não é novidade para a América Latina – os casos do Paraguai e de Honduras estão aí para mostrar isso.

O quadro político no país não tem relação com a “guerra à corrupção”, chavão que a história elegeu como a tradicional bandeira dos governos ilegítimos ou autoritários. Na verdade, a relevância da corrupção neste contexto emerge apenas quando a observamos como um sintoma da promiscuidade existente entre Estado e Mercado. Também sabemos que a atual crise política brasileira não foi causada por uma “guerra de ideologias” ou pelo abalo de uma “cultura do privilégio” internalizada pelas classes médias, mas pelo Mercado, cobrando agora a conta por mais de uma década de concessões. Não é por acaso que o movimento de desestabilização das instituições democráticas é liderado por entidades como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e que grupos econômicos brasileiros e estrangeiros financiem as estranhas organizações pró-golpe.

Não digo aqui que componentes da superestrutura – como ideologia e cultura – não estejam também em movimento no contexto político e social que vivemos. Mas é importante termos consciência de que a base – as relações materiais e a disputa pela riqueza – estão no cerne dos acontecimentos que hoje assombram o cenário nacional. O que assistimos no Brasil é um acirramento das contradições existentes, a priori, entre os interesses materiais do Mercado e os interesses materiais do Estado. O objetivo final do golpe em curso é pacificar esse conflito e garantir que o Estado passe a trabalhar a favor nas necessidades materiais do Mercado, ainda que contra seus objetivos originais e em detrimento do interesse público.

Infelizmente, nessa disputa a que estamos assistindo hoje, o Estado está perdendo.

Sugestão de leitura: A crise, a deposição de Dilma Rousseff e a fragilidade da democracia, por Flávia Birolli, professora da Universidade de Brasília

Ministro Arthur Chioro: ele sai, mas a saudade fica

O terceiro a gente nunca esquece.

Quando ele apareceu, fiquei desconfiada: “não vai superar o anterior”. Talvez porque, de fato, o segundo tenha sido muito bom também – apesar de ter me abandonado apressadamente, antes da hora, e por isso deixado um pouco de mágoa.

Cheguei ao Ministério da Saúde há cinco anos – foi no dia 15 do mês passado meu último aniversário nesse lugar que aprendi a amar. Parece pouco tempo, quando penso na totalidade da minha vida – cinco anos é só um sexto dela. Mas percebo que é muito quando lembro que chego agora a meu quarto ministro.

A pontinha de orgulho que sinto por ter vivido, assim tão de perto, muito do que foi feito pela saúde nesse país em tempos recentes se mistura com melancolia, quando vejo partir meu terceiro ministro – de longe o que deixa mais saudade.

Quando Chioro chegou, eu nunca tinha ouvido falar dele. “Bom sinal”, pensei. Um ministro desconhecido só pode significar menos politicagem (e mais política pública). Um ministro famoso geralmente está lá pra comprar apoio. E isso sei que o ministro Chioro nunca foi: sempre esteve aqui por sua competência, sua paixão, seus ideais.

“É nossa obrigação, como políticos de esquerda”. Arrepiei quando o ouvi dizer isso em um jantar em Santa Fé, berço do socialismo argentino. Nunca tinha ouvido um ministro se posicionar ideologicamente antes. E não espero ouvir novamente. Essas são aquelas coisas que muito raramente saem do imaginário daqueles que votam em partidos e políticos de esquerda – quando no poder, viram centro ou coisa pior.

Esse não. Por isso, foi o único que vi enfrentar publicamente as entidades médicas corporativistas, que tanto mal fazem à saúde de nosso país. “Querem o monopólio!”, ele disse em uma entrevista sobre as sociedades de especialidades médicas. Me lembro de pensar na hora: “Esse ministro ainda vai fazer muito estrago”. E fez – pena que por tão pouco tempo. Vai deixar saudade, mas deixou também sua marca e, sem dúvida, um exemplo para os próximos que vem por aí.

Que venha o quarto ministro! Superar o terceiro vai ser difícil… Mas eu já estive errada antes, não é mesmo?

“Casa do povo”. Só que não.

É muito triste perceber que nosso destino é mera moeda de troca nesse jogo de birras, vingancinhas, ressentimentos e interesses que se desenrola no Congresso Nacional. Isso sempre foi evidente, mas fica cada vez mais escancarado agora que temos uma oposição amargando a quarta derrota consecutiva nas urnas presidenciais e uma base aliada rebelde sentindo que pode controlar o governo. Tudo – absolutamente tudo – que se aprova ou rejeita nas duas Casas são isso, e somente isso: retaliação, demonstração de poder ou favor a ser cobrado mais tarde. Mas e o povo? “Ah, o povo que se foda, oras!”.

No início do mês, quase conseguiram derrubar um veto da Presidenta Dilma a subsídios para grandes empresas no Nordeste, o que oneraria o Tesouro em R$ 5 bi. Motivo: os presidentes das duas casas estão revoltados – vejam só – por terem aparecido na lista da Lava Jato, e acham que Dilma devia ter intervindo para evitar (leia-se: “acobertar”). Fizeram isso pra se vingar. O mais inacreditável é a naturalidade com a qual se encara isso – o assunto tá na mídia e os parlamentares nem ligam. Afinal, o que tem de mais em querer que a Presidente do país use de “jeitinho” pra livrá-los de investigação criminal?

Também ontem nossos digníssimos representantes transformaram o homicídio de policiais e militares (sim, militares) em crime hediondo. Não sei quanto a vocês, mas eu acho isso um assunto muito sério (e estranho). Cadê o debate com a sociedade? No mínimo, estamos diante de uma medida que tem como objetivo criar mais proteção para um lado que, constantemente, é o opressor e pratica excessos. “Bora tornar mais intocáveis autoridades armadas inseridas em ambientes corrompidos que têm o monopólio da violência de Estado”? “Bora”! Não vi esse assunto na mídia e não acho que as pessoas tenham sido consultadas quanto a isso, nem em enquete besta do site do Senado – eu, sinceramente, nem sabia que esse projeto existia. Afinal de contas, quais são as nossas prioridades?

[Isso ocorreu logo após o feminicídio ser tipificado como crime hediondo. Soou até como uma ofensiva a medidas destinadas a defender minorias e segmentos oprimidos. “Ah, é? As vadias querem que “assassinar mulher por ela ser mulher” seja um crime assim, todo especial? Então tá. Pois agora matar policial também é”. Bolsonaro deve estar que nem pinto no lixo.]

Mas essa semana dois senadores ultrapassaram todos os limites do egoísmo e da indiferença quanto aos interesses da população brasileira. Cássio Cunha Lima e Aloysio Nunes, ambos do PSDB, resolveram submeter um projeto de decreto legislativo com o objetivo de invalidar a cooperação que permitiu trazer mais de 11 mil médicos cubanos ao Brasil para atenderem populações carentes.

Tá, eu até entendo ter a cara de pau de melar o ajuste fiscal da Presidenta dando prejuízo aos cofres públicos, querer ter a cara livrada da Lava Jato e priorizar projetos de defesa dos integrantes das forças bélicas e repressivas do Estado – tudo isso era esperado desse Congresso sensacional que elegemos ano passado. Mas confiscar, de 63 milhões de brasileiros, o atendimento dos únicos médicos que se indignaram a chegar até eles é cruel e desumano. Uma ideia, senadores: que tal fazermos disso crime hediondo?

O Congresso Nacional carece de ideias, de ideologia verdadeira, de empatia para com as pessoas que dele dependem para se fazer representar na esfera pública. Em debates que se resumem a bate-boca entre parlamentares com interesses eleitorais e pessoais conflitantes, o interesse público fica apagado, esquecido. Que tipo de sociedade queremos construir, quais medidas precisamos tomar para tornar nosso país mais justo, sustentável e solidário – tudo isso é absolutamente irrelevante. Já tivemos inúmeras demonstrações disso.

Em nome da rivalidade política, os senadores Aloyísio Nunes e Cássio Cunha Lima não se importam de ter sangue em suas mãos, desde que isso signifique acabar com um dos “programas-vitrine” do governo de seu adversário. Nossos parlamentares vivem em um mundo à parte, onde só existem eles mesmos, seus próprios umbigos, e talvez suas esposas, que por pouco não passaram a ter suas passagens pra Miami pagas com dinheiro público. Cid Gomes tem razão: “são achacadores”!

Atualização em 10/04/2015:

O parlamento continua suas estripulias. A “casa do povo” aprovou ontem o que o sociólogo do trabalho Ruy Braga chamou de “a maior derrota popular desde o Golpe de 64”: o PL da terceirização. Supimpa. Somemos a isso a aprovação da PEC da redução da maioridade penal pela CCJ. Mais alguém aí está com medo do resto desse mandato? Pelo menos enquanto Eduardo Cunha for presidente da Câmara, ou seja, por mais pelo menos 1 ano e 8 meses, não duvido de mais nada.

Minha opinião sobre a eleição presidencial de 2014

Algumas pessoas disseram que “não vão sentir falta dessas eleições”, que “essas eleições não vão deixar saudade”, que “foram horríveis e assustadoras”. Não concordo completamente. O pleito desse ano foi muito importante – clareou muita coisa, impactou na politização da sociedade, expôs temas polêmicos, uniu forças, e, se tudo der certo, marcou a mudança na forma de governar do PT, partido em que ainda acredito, apesar de todos os seus problemas e limitações.

Na luta por uma sociedade mais justa, o conflito será sempre inevitável e necessário; a polarização e o radicalismo momentâneos sempre existirão, e servirão para definir melhor as posições de cada lado, colocar os pingos nos “is” e unir pessoas em torno de ideais. As mudanças e a redução de privilégios serão sempre seguidas de resistência e reações violentas.

A agressividade do processo eleitoral deste ano apenas evidenciou esse conflito, reforçado pela campanha midiática ostensiva das empresas que controlam a informação no país – controlam ou controlavam, pois, esse ano, o cerco histórico foi furado pelas redes sociais, outra grande realização do pleito alucinante de 2014.

Nessa campanha eleitoral, o tempo adquiriu nova dimensão, quando qualquer declaração descuidada passou a ser difundida e contestada em tempo real, simultaneamente, por milhares de pessoas. O que a imprensa antes ocultava e moldava conforme seus próprios interesses passou a ser evidenciado e viralizado, sem respeito a qualquer limite territorial. O que esses mesmos veículos informavam era confrontado com outras fontes, informações, interpretações – e até mesmo com publicações antigas dos próprios conglomerados midiáticos.

Ideologias passaram a ser disseminadas, posicionamentos foram desconstruídos, mentiras foram criadas e desmascaradas. Sem a “militância virtual”, e considerando o esforço da mídia em eleger seu candidato, não acho que o PT teria ganhado essa eleição; e esse fato, sozinho, já torna essa disputa uma das mais revolucionárias dos últimos anos no país.

Também vem sendo dito que essas eleições provocaram uma onda reacionária, tornando os cidadãos mais preconceituosos, racistas, elitistas, classistas. Eu não concordo: o pensamento conservador sempre esteve aí, ora evidente, ora adormecido. Um processo eleitoral não é capaz de criar uma orientação ideológica do nada, ainda que a pressão midiática tenha estimulado o extremismo de direita e o antipetismo. Ideologia decorre da formação social e cultural de um país; ela expressa anos de acumulação – uma bagagem realmente considerável – e não se forma de uma hora pra outra.

A eleição presidencial, portanto, não tornou a sociedade mais reacionária; apenas expôs esse lado feio que sempre existiu por aqui de forma silenciosa, impregnado em nosso dia a dia. Esse lado que existe em cada destrato praticado pela patroa para com a empregada doméstica; em cada brado contra as cotas sociais e raciais sob o pretexto de uma suposta meritocracia; em cada crítica infundada ao Bolsa-Família, e em várias outras atitudes banais com as quais aprendemos a conviver.

Esse afloramento de ideias reacionárias e agressivas estimulado pelo clima eleitoral pode trazer consequências assustadoras no curto prazo, mas, no longo prazo, é importante e útil, pois é através dele que identificamos com mais clareza os nossos fantasmas. Por causa da expressão escancarada desses preconceitos, as esquerdas se uniram mais forte nessas eleições, deixando de lado questões partidárias, ressentimentos e discordâncias metodológicas.

Nas ruas e nas redes, militantes, simpatizantes, porta-vozes, blogueiros, todos se uniram em torno de um objetivo comum: garantir a vitória do amor sobre o ódio, da tolerância sobre o preconceito, da solidariedade sobre o egoísmo, da igualdade social sobre os privilégios. A militância do PT voltou a tomar as ruas, colorindo as cidades de vermelho como há muitos anos não se via. Simpatizantes do partido passaram a defender a presidente com argumentos informados, desconstruindo discursos difamatórios e entrando em um embate virtual pelos trending topics das redes sociais.

Essa união entre as forças progressistas pode, quem sabe, dar um novo ânimo ao governo do PT, aproximando-o daqueles que realmente o colocaram na presidência pela quarta vez consecutiva. Na véspera das eleições, escrevi:

Se Dilma for reeleita, deverá isso à sua militância e aos movimentos sociais de esquerda, que realizaram um excelente trabalho nas ruas e no mundo virtual.

Nas redes sociais, blogueiros progressistas, eleitores já decididos, grupos de esquerda e representantes de minorias fizeram a melhor campanha de todas, mostrando seu apoio à continuidade do governo do PT e desconstruindo sistematicamente o candidato frágil que é Aécio Neves e o projeto retrógrado que é o do PSDB.

Nas ruas, militantes apoiaram com o corpo e o coração a candidata, lotando seus comícios e agitando, incansavelmente, bandeiras pelas cidades brasileiras. E até quem se diz neutro, como o PSOL, passou a apoiar, por meio de vários dos seus porta-vozes e eleitores, a reeleição da atual presidente.

E é por tudo isso que, nesse (possível) próximo mandato, Dilma precisa olhar para essas pessoas e movimentos. Precisa ser sensível a seus pleitos, batalhando, de verdade, por aqueles que a elegeram e depositaram nela todas as suas fichas.

Chegou a hora de o PT voltar às origens e lutar pelas bandeiras de esquerda, ainda que isso signifique desagradar algumas pessoas e bater de frente com o Congresso conservador que, infelizmente, elegemos para esse próximo mandato.

Estou confiante de que isso pode acontecer. Da antiga polarização entre PT e PSDB, passamos para a polarização entre esquerda e direita, e, pra mim, isso foi o que diferenciou essas eleições das anteriores.

Rumo à vitória, companheiros. Os próximos quatro anos podem ser muito bons. Só o tempo dirá.

O primeiro passo já foi dado.

Carta às Marinas

“Prefiro ser criticada lutando por aquilo que acredito ser o melhor para o Brasil, do que me tornar prisioneira do labirinto da defesa do meu interesse próprio, onde todos os caminhos e portas que percorresse e passasse, só me levariam ao abismo de meus interesses pessoais.”

Marina,

O partido que você agora apoia pode achar que parte do povo é “mal informada” porque vive em “grotões”, mas, por favor, não insulte a inteligência desse povo com palavras vazias e desonestas, na tentativa de resgatar o pouco de dignidade que lhe restou. Ao longo dessa campanha, você mostrou que não tem integridade, e que representa, ironicamente, o que há de mais velho na política brasileira, pois foi movida por motivos puramente eleitorais, abrindo mão de quaisquer ideais que alegava ter.

Sabemos agora que esses ideais não passam de retórica da pior categoria, pois você não pensou duas vezes na hora de abrir mão de cada um deles ao longo dessa vergonhosa campanha eleitoral que culminou com o apoio a um projeto retrógrado, neoliberal, elitista e demagógico. Ficou claro ao longo desses quase dois meses que não lhe importa construir um país mais justo, igualitário, tolerante e sustentável, pois seu desejo de se manter viva nesse jogo eleitoral sujo é bem maior do que sua preocupação com o que pode estar pela frente nesses próximos quatro anos.

Você usa o argumento da alternância de poder e levanta a bandeira da mudança, mas sabe muito bem que não estamos diante da “renovação”, e sim da defesa dos interesses do mercado financeiro, da subserviência às grandes potências, da leniência com a corrupção, da ode a uma ilusória meritocracia e da interrupção de um processo de inclusão iniciado por Lula e levado adiante pela presidente Dilma, a despeito de todos os seus defeitos. Para defender seus interesses eleitorais e conseguir migalhas de um possível governo do PSDB, você abandonou até mesmo o discurso anti-polarização, e teve a coragem de dizer que Aécio “retoma o fio da meada virtuoso”. Não, Marina, foi você que perdeu o fio da meada, e isso não tem nada de virtuoso.

Ao longo de sua contraditória campanha, você não hesitou em tentar arrecadar votos em todos os segmentos da população, entre opressores e oprimidos – religiosos, LGBT, empresários, trabalhadores, agronegócio, ambientalistas –, e mostrou que seu único objetivo foi tentar aproveitar o clima político favorável para se eleger presidente a custo de qualquer coerência, pois qualquer um, “mal informado” ou não, “oriundo de grotões” ou não, sabe que é impossível atender a todos esses interesses. Depois, derrotada, você se despiu das poucas bandeiras que lhe restavam – mas com o cuidado de elencar exigências decorativas que tornassem seu apoio à direita menos humilhante.

Nesse discurso demagógico de declaração de apoio a Aécio Neves, você ousou compará-lo ao ex-presidente Lula. Não, Marina, Aécio não é Lula, e você sabe muito bem disso. Então, por favor, nos poupe dessa tentativa de mostrar-se acima da rivalidade existente entre os projetos políticos do PT e do PSDB, ao tratar a alternância de poder como um benefício irrestrito que prescinde de prioridades e orientação política.

Eu gostaria de pensar que você arruinou sua carreira política ao mostrar não ter qualquer ideologia, mas, infelizmente, não é isso que define o sucesso nessa “profissão”, e acredito que você terá uma longa trajetória defendendo os interesses da elite. Parabéns, Marina: ao invés de criar “a nova política”, você se engajou na velha em sua mais pura essência, traindo todos os seus eleitores que realmente acreditavam em um projeto novo e progressista. É o triste fim de uma bela trajetória; e o início de uma outra Marina: a nova Marina da velha – velhíssima – politicagem.