The 10 lies of Globo

0-a-globo-erro-golpe

Globo, a media group from Brazil, responded to an article published by The Guardian about the brazilian political crisis. Here’s the result.

LIE 1: “It fails to mention that everything began with an investigation (named Operation Carwash)”.

The impeachment has nothing to do with Operation Car Wash, and Globo is mentioning it to confuse the readers of this respectable media outlet – as they normally do in Brazil. Rousseff herself isn’t implicated in any of the criminal facts been investigated by Car Wash. She is been impeached under accusations of fiscal maneuvers, executed to maintain social programs, like “Bolsa Família” (famous all over the world for been an example against social inequality). This maneuvers are regularly practiced by most brazilian public administrations (including by opposing ex-president Fernando Henrique Cardoso), and was also practiced just last year by 16 elected state governments currently in office. Does Globo want them impeached? Here’s a million dollar question.

LIE 2: “[…] investigation (named Operation Carwash), which in turn revealed the largest bribery scheme and corruption scandal in the country’s history, involving leading members of the ruling Workers Party (PT), as well as leaders of other parties in the government coalition, public servants and business moguls”.

Globo fails to mention that several members of the current political opposition to the Workers Party (PT) are also been implicated in Operation Car Wash. Aecio Neves, Rousseff’s defeated opponent in the last presidential elections, for example, was accused of receiving bribes and mentioned seven times in delations given by politicians and business men. The vice-president, Michel Temer, who has been orchestrating the coup himself in order to reach power, has also been cited. All of this can be easily verified, but Globo prefers to try keeping the readers in the dark, in order to construct the illusion that PT is the only party responsible for the corruption in brazilian institutions.

LIE 3: “The entire investigation process has been conducted in accordance with Brazil’s rule of law, under the strict supervision of the country’s Supreme Court”.

There have been serious violations of civil rights by the judge responsible for Operation Car Wash, Sérgio Moro, in collusion with the Globo Group itself, in order to inflame the masses and damage the image of Workers Party ex-president of Brazil, Lula. Sérgio Moro illegally leaked recordings of wiretappings placed in Lula’s residence to Globo, which then publicized selected parts of the audio in the network’s most rated news show. Apart from the fact that most of the conversations were personal and irrelevant to the investigation, the recordings caught a chat between Lula and the president of Brazil, Dilma Rousseff, and thus should have been immediately sent to the Supreme Court due to privileged forum. Instead, Moro sent them to Globo Group – but they don’t want anybody remembering that, do they?

LIE 4: “The Brazilian press in general, and the Globo Group in particular, fulfilled their duty to inform about everything, as would have been the case in any other democracy in the world. We will continue to do our job, no matter who may be affected by the investigation”.

The brazilian media in general, and specially Globo Group, is playing an important role in opposing the government systematically since Rousseff became president for the first time, in 2010 – actually, since Lula was president, and even before that, in 1989, when he lost the election to conservative and latter impeached Fernando Collor de Mello, after been deliberately harmed in a debate promoted by Globo. Members of the opposition involved in several corruption scandals, like “Trensalão” and “Máfia das merendas”, have been consistently spared by the oligarchic media of Brazil, which is controlled by something between 9 to 11 families with clear elitist interests. Brazilian media is famous all over the world for been extremely concentrated and devoted to conservative political forces. It also endorsed the military coup of 1964. Need I say more?

LIE 5: “As a reaction to the revelations of Operation Carwash, millions of Brazilians took to the streets in protest”.

The protests in Brazil are been deliberately stimulated by the media and the political opposition since Rousseff’s reelection, in 2014. Although there have been rallies in 2013, promoted by popular left-wing movements, the current protests are very, very different. They are financed by right-wing organizations like “Movimento Brasil Livre” and “Revoltados On-line”, which were created to promote the coup we see taking place in Brasil today, and also by corporate organizations, like Fiesp (Federation of São Paulo Industries).

There’s no doubt some of the protesters are going to the streets spontaneously, but it’s also clear the role that this artificially created movements and the oligarchic media have been playing in promoting them and in creating, among the masses, a hate feeling against PT and all left-wing social movements. Globo wants to make believe “the people” suddenly took the streets moved by a sense of citizenship and morality. But here in Brazil we know the political climate was been built since Rousseff displeased the conservative forces by becoming president again.

LIE 6: “Precisely to avoid any accusations of inciting mass rallies – as Mr. Miranda now accuses us – the Globo Group covered the protests without ever announcing or reporting on them on its news outlets before they happened. Globo took equal measures regarding rallies for President Dilma Rousseff and against the impeachment: it covered them all, without mentioning them prior to them actually taking place, granting them the same space as was given to the anti-Dilma protests”.

The coverage of the protests have been absurd, to say the least. For starters, Globo has been calling the pro-impeachment protesters “brazilians” or “Brazil”, while the protesters against the coup – many of them critics of Rousseff’s administration – are “pro-government” or “Dilma’s supporters”. But that’s just a detail. All the protests for the impeachment have been 100% televised live by GloboNews (the network’s cable news channel), that interviewed protesters and made sure to set a cheered climate. On the other hand, protests against the impeachment were covered by short superficial flashes and usually did not listen to the protesters arguments. No news here when it comes to Globo.

LIE 7: “The Globo Group did not support the impeachment in editorials”.

That’s the most absurd lie on the entire article, because it’s enable to survive a simple Google search. Just type “impeachment”, “editorial” and “O Globo” and have fun!

LIE 8: “To blame the press for the current Brazilian political crisis, or to suggest that it serves as an agitator, is to repeat the ancient mistake of blaming the messenger for the message”.

Globo knows it has been promoting hate and conflict among brazilians. And that’s, actually, exactly what they want: to create a sense of general dissatisfaction that “justifies” a coup.

Just stop lying already! It’s starting to get embarrassing.

LIE 9: “The Brazilian press is a vast and plural landscape of several independent organizations, 784 daily printed newspapers, 4,626 radio stations, 5 national television broadcast networks, 216 paid cable channels and another multitude of news websites. Everyone competes with great zeal for the Brazilian audience, which in turn is free to make its choices. Among strong competitors, what one finds is independence, without any tolerance for being led”.

If less than a dozen families controlling the entire media is not been concentrated, I don’t know what is. Another lie that collapses on itself after a basic Google search. But if you want something more reliable, what about a research published by Oxford? Enjoy!

LIE 10: “With the Globo Group rests the responsibility to report the facts as they happened. It is our duty”.

In  Brazil, that’s what we can call “cereja do bolo”: a bizarre ending to an absurd article. Simply amazing.

Isso não é um terrorismo qualquer. É o terrorismo midiático, bobinho.

Se independente e espontâneo, “espetáculo” com falsa ameaça de bomba ocorrido essa semana no hotel St. Peter, em Brasília, é um reflexo do delírio coletivo criado pela mídia brasileira nos últimos anos.

Começamos a ser informados de nossa ruína há cerca de quatro anos. A cada manchete, temos mais certeza de que o caos é eminente. A economia entrou em colapso, o desemprego vai alcançar, em breve, índices estratosféricos, a corrupção está consumindo todos os recursos da saúde e da educação e a Petrobrás está à beira da falência.

Essa é a realidade que nos enfiam goela abaixo, diariamente, em cada análise de especialistas globais cuidadosamente selecionados; em cada comentário de Miriam Leitão e Jabor; em cada manchete da Folha de S. Paulo, do Estadão, do O Globo – a Santíssima Trindade do charlatanismo impresso; em cada edição do planfleto Veja, que há muito abandonou os fatos pelos factoides.

Na tentativa desesperada de ditar os rumos políticos do país, a imprensa brasileira criou um monstro: um contingente de desinformados delirantes pautados pelo ódio irracional e paranoico que não se justifica ou embasa. O raciocínio há muito tempo abandonou o campo do debate político. Não mais são necessários fatos, números ou mesmo a sustentação lógica mais elementar; precisamos de acusações, escândalos, agressões, linchamentos midiáticos ou reais.

Ao invés de pensar, adotemos palavras e expressões prontas que a imprensa e seus articuladores gentilmente nos cedem para discussões de bar em que todos concordam. “Bolivariano”, “quadrilha”, “recessão”, “fantasma da inflação”, “falência da Petrobrás”, “ditadura do politicamente correto”, “maior carga tributária do mundo”. No lugar de argumentos, prefira insultos pessoais; mande a presidente tomar no cu, e negue de forma agressiva qualquer evidência empírica que contradiga o discurso do caos.

A mídia brasileira se faz de desentendida e chocada quando vê um cidadão desequilibrado ameaçando explodir um hotel por “motivações políticas” conservadoras anti-esquerda, enquanto transmite cada segundo do espetáculo que ajudou a criar. Esse ódio crescente, que se espalha por toda parte e fica cada vez mais patente na internet, pode ser, para você, magnata das comunicações, só um efeito colateral dos seus esforços para garantir um governo que melhor se adeque aos seus interesses. Para a sociedade brasileira, no entanto, significa um retrocesso ideológico; uma transição rumo à irracionalidade e à alienação, através de um conflito vazio, cego e carregado de emoções negativas.

A direita se defende da forma que melhor conhece: pela censura. Ou “Por que a Veja não aprovou meu comentário?”

Enquanto Aécio Neves tenta calar seus críticos na base do mandado de busca e apreensão e da censura de sites de busca e redes sociais, a revista Veja parece manter seu portal livre de comentários negativos através de uma moderação no mínimo duvidosa. A direita vocifera por liberdade de imprensa, mas na verdade quer amordaçar, a todo custo, qualquer um que pense diferente.

Sempre achei desproporcional a quantidade de comentários positivos nos blogs e colunas dos “articuladores” mais populares da revista Veja, quando comparada com o número de posicionamentos críticos. Apesar de saber que esse tipo de sítio é frequentado majoritariamente por internautas que concordam com a linha editorial, eu costumava imaginar que pessoas com ideologia contrária, como eu, de vez em quando passassem por ali, se irritassem, e acabassem fazendo um comentário ou outro – mais por revolta ou impulso, do que por algum motivo mais nobre. Ainda assim, posições críticas sempre rarearam nesse ambiente.

Depois de alguns anos acompanhando de longe os ídolos da direita brasileira e seus seguidores, chegou finalmente a minha vez de “não resistir”. E eu confesso: postei um comentário no portal da revista Veja. É, amigos, para tudo existe uma primeira vez. Escrito e publicado esta sexta-feira (25) por Reinaldo Azevedo, o texto que me despertou a coragem para isso foi elaborado como resposta ao colunista da Folha de S. Paulo, Guilherme Boulos. Boulos abordou em sua brilhante coluna desta quinta (24) o que ele chamou de “direita delirante”, referindo-se diversas vezes a Azevedo.

Como faz com frequência, o jornalista da Veja respondeu com um texto em que tenta desconstruir os argumentos de Boulos, trecho por trecho. O resultado, a meu ver constrangedor, foi um discurso raivoso, infantilizado e delirante, que acabou por provar o ponto de vista do colunista da Folha: os porta-vozes da direita realmente perderam a mão. Sobre o texto de Azevedo, postei, portanto, o seguinte comentário no sítio da Veja:

“Esse texto infantil e terrivelmente enfadonho teve como único mérito ratificar todas as colocações do colunista da Folha. Ironicamente, os delírios e obsessões apontadas por Boulos ficam claras nessa réplica, e mostram a incapacidade de Reinaldo Azevedo em construir qualquer linha de raciocínio sem se apoiar em menções aleatórias e indiscriminadas ao PT, e sem partir pra baixaria, com direito a xingamentos e ataques pessoais mal colocados (algo parecido com chamar seu oponente de ‘gordo’ ou ‘burro’ em uma discussão sobre política, por exemplo, como forma de atacá-lo e desqualificá-lo, no lugar de utilizar argumentos relacionados ao assunto debatido). Algumas partes soam como pura birra, dignas de uma criança de sete anos. Lamentável. É, ‘a direita brasileira já foi melhor’.”

Surpresa ou não, o fato é que o comentário não foi aceito pela moderação do site, enquanto centenas de opiniões favoráveis ao texto, grande parte delas agressiva, foram aceitas e agora aparecem ratificando integralmente a opinião do colunista, sem que exista qualquer contraponto ou possibilidade real de debate a respeito do tema pelos leitores do portal. Mas, pensando bem, debate pra que, quando o objetivo não é promover a discussão saudável, mas sim impor uma posição, alimentando o ódio e a intolerância contra os “inimigos criados pela política editorial”?

E, afinal, o que isso é se não um sintoma do que já estamos cansados de saber? A direita sempre teve o costume de ser intolerante com seus “adversários”. Entre a argumentação e a força bruta, preferem a segunda opção. Não é à toa que o presidenciável do PSDB, Aécio Neves, prefere invadir a casa de uma jornalista – que é, acima de tudo, uma cidadã – em busca de um motivo para processá-la, numa tentativa de calá-la, do que receber e tentar rebater as críticas supostamente proferidas por ela (críticas estas que ele preferiu apelidar de “comentários difamatórios”). Se quisermos um exemplo mais contundente do que esse, temos 20 anos de ditadura para demonstrar que o debate não é exatamente a primeira opção dessas correntes ideológicas.

Correntes que, hoje em dia, falam com pompa sobre liberdade de imprensa e expressão, acusam o atual governo federal de promover a censura dos veículos de comunicação – quando, contraditoriamente, esses veículos trabalham claramente em força-tarefa para expor as falhas deste mesmo governo –, mas são, na prática, incapazes de conviver com opiniões diferentes das suas próprias.

E quem quiser usar aqui a técnica do “tu quoque” (“você também”), tire a prova entrando em um site ou blog tipicamente “esquerdista” ou “sujo”, como alguns gostam de chamá-los, e veja quantas opiniões contrárias à posição editorial do veículo estampam as suas páginas. Os “esquerdopatas”, “petralhas”, “comunistas”, ou como quer que desejem apelidá-los, têm as suas convicções; mas podem ter certeza que eles lhes darão espaço para expor as suas.